A série revivendo boas histórias da estrada continua neste mês de fevereiro. O Bahia na Lupa rememora reportagens antigas de alguns roteiros de viagem por nosso imenso território baiano. Gente, lugares, comidas, costumes…

O povoado é aconchegante e de tão organizado parece uma pequena cidade. Oliveira dos Campinhos, com quase 15 mil habitantes, distrito da famosa Santo Amaro, terra de Dona Canô, de Caetano Veloso, guarda em suas terras a secular Igreja de Nossa Senhora de Oliveira, com seus longos 386 anos de construída.

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o templo pede socorro. Como tantos outros na Bahia, o lugar histórico precisa de reparos emergenciais em sua estrutura.

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

O teto e algumas estruturas das paredes precisam de reforma. A segurança é outra demanda da comunidade local, tanto que as seculares imagens sacras ficam guardadas em um local reservado por medo de furtos.

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Há curiosidades também dentro da igreja. Além dos azulejos portugueses, dos painéis pintados à mão e da ambiência que exala saudosismo de um tempo colonial vivido na Bahia, um mistério circunda a pia batismal.

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Segundo os frenquentadores do templo católico, os batizados não estão mais sendo realizados na pia secular, pois não se sabe para onde a água vai. Por precaução, devido às condições estruturais, foi melhor não pagar pra ver.

Veja mais fotos:

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Foto: Cadu Freitas/BnL

Comentários

Comentários