Restaurante de Alaíde do Feijão inaugura nova sede no Centro Histórico…

A ‘Quitanda do Saber de Alaíde do Feijão’, um dos restaurantes mais famosos da Bahia, vai inaugurar sua nova sede no Centro Histórico da capital baiana, na terça-feira, 07 de julho, às 19h. O novo espaço, que vai funcionar na Rua das Laranjeiras, Pelourinho, é fruto da mobilização dos blocos afros e movimento negro de Salvador que lançaram a campanha “Uma casa para Alaíde”.

A icônica quituteira Alaíde do Feijão. | Foto: Lucas Rosário

A icônica quituteira Alaíde do Feijão. | Foto: Lucas Rosário

Apelidada por Alaíde do Feijão pelo cantor Compadre Washington, do grupo É o Tchan, a quituteira é referência na gastronomia, cultura e identidade negra, considerada como exemplo de empreendedorismo a ser seguido.

“Foi uma articulação feita há uns oito anos atrás para que ela saísse do aluguel caro, cobrado por uma irmandade religiosa, e tivesse um outro espaço para seus negócios. E aí a turma dos blocos afros começaram a se mobilizar para ajudar a mudar de local”, afirmou o Líder do movimento e também presidente do Bloco Afro Olodum, João Jorge.

Foto:  Victor Camilo

Foto: Victor Camilo

O Imóvel cedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico da Bahia (IPAC), pode ser transformado em ponto de Cultura a partir de um convênio com a secretaria da Cultura (Secult/BA) e ao Ministério da Cultura.

A nova sede da Quitanda do Saber é um marco para história e a cultura afro-brasileira, reafirmando que o povo negro hoje está “unificado, estabelecido” e, além disso, “politizado”!

A história da quituteira baiana já foi contada também em vídeo do publicitário João Silva, que enfatiza a importância da feijoada na gastronomia brasileira. | Foto: Lucas Rosário

A história da quituteira baiana já foi contada também em vídeo do publicitário João Silva, que enfatiza a importância da feijoada na gastronomia brasileira. | Foto: Lucas Rosário

Com intuito de ajudar a família e seus oito irmãos, aos 13 anos, Alaíde Conceição inicia sua jornada dando auxílio a sua mãe que possuía uma banca na Praça Cairu, em Salvador, na década de 60.

O convívio junto ao Centro Histórico e às manifestações culturais fizeram daquela simples jovem um grande militante do movimento negro de Salvador. No ano de 1974, com a aposentadoria da sua mãe, passou a assumir o tabuleiro tornando-se “atração turística” da cidade.

A tradição, o tempero e a popularidade de Alaíde, permitiram que na década de 90 a quituteira abrisse o seu primeiro restaurante, intitulado ‘Quitanda do Saber’, onde reuniam-se políticos, ativistas, artistas e intelectuais da cidade.

Toda essa história de resistência, luta e superação tornou-se tema de documentário ‘Alaíde do Feijão’, produzido pelo Instituto Maria Preta em 2013.

Comentários

Comentários