Com formato de talk show, feito tanto para TV aberta quanto para o streaming, o AfroFeed será lançado na próxima quinta-feira (26), nas plataformas digitais. O novo programa do Instituto Mídia Étnica (IME) vai dialogar sobre a diáspora africana por meio da transmidialidade.

A ideia aposta na convergência midiática para contar histórias. “O AfroFeed é um projeto transmídia, que ainda é algo novo pra todos nós, a intenção é trazer às nossas questões do nosso jeito, de forma um pouco mais leve, mas sem perder o senso crítico;  buscando fazer um diálogo rápido e ágil com as gerações, possibilitando que os espectadores acessem nosso conteúdo de todas as formas possíveis, nas diversas plataformas… redes sociais,TV, dispositivos móveis, web séries, aplicativos e etc”, explica o coordenador de audiovisual do Correio Nagô, Rosalvo Neto.

Como audiovisual se faz em conjunto, fazem parte da equipe: Sérgio Sacramento, Jaguaraci Felix, Vagner Jesus, Carlos Daruê, Wesley Dias e ainda contando com a parceria da produtora Sete Quatro Comunicação.

Contrapondo a realidade da TV brasileira, na qual apenas 3,7% dos apresentadores são negros, o programa será comandado por Sabrina Bispo. “Ser apresentadora do AfroFeed é representar vários comunicadores negros que são encaminhados apenas para os bastidores. É uma grande responsabilidade ser porta-voz de tantos outros e uma satisfação falar das nossas pautas, de ter os nossos em foco”, declara, com exclusividade ao Correio Nagô.

A comunicóloga conta que sempre desejou ver mais representatividade no audiovisual, tendo inclusive, projetado ocupar esses espaços – historicamente negados à população negra.

“Comandar o AfroFeed é um presente e um desafio. Eu formei em comunicação e o mercado não abriu portas para um mulher negra que sempre quis ficar na linha de frente e que tinha muito bem definido suas pautas e bandeiras. Eu nunca quis associar a minha imagem a qualquer trabalho. O convite de Rosalvo Neto, representando o IME, reacendeu a comunicadora que o sistema havia engavetado”, finaliza.

 

*Por Donminique Azevedo | Correio Nagô

Comentários

Comentários