Mesmo sendo vilão por fazer parte do grupo dos carboidratos, o arroz agora pode ser visto como uma grande fonte de benefícios para o organismo. Uma pesquisa feita pelo Baylor College of Medicine (EUA), comprova que quem consome diariamente uma porção de arroz – integral ou branco- tem menos gordura e mais minerais no organismo como magnésio, potássio e ferro. O cereal também auxilia no equilíbrio da pressão arterial e nos níveis de colesterol, além de prevenir o diabetes.

Foto: Matthew Mendoza

Foto: Matthew Mendoza

O arroz é rico em vitaminas A, B1, B2, B3, B6  e E  que colabora na formação de glóbulos vermelhos  e estimula a regeneração celular. Ao consumir, aposte na combinação com o feijão (mulatinho, preto, branco) ou demais leguminosas como grão-de-bico, lentilha, ervilha e fava.

Foto: Alexandra Abreu

Foto: Alexandra Abreu

A dupla feijão com arroz fornece uma base proteica de excelente qualidade: o feijão possui lisina, aminoácido responsável pelo crescimento ósseo e produção de colágeno, e o arroz tem metionina, aminoácido que atua na formação dos músculos.

Foto: Boca Dorada

Foto: Boca Dorada

Segue abaixo alguns tipos deste cereal e suas características:

Integral – Fonte de fibras, minerais e óleos essenciais, bom para o funcionamento do intestino, aumenta a saciedade e reduz a absorção de gordura pelo corpo.

Negro – Rico em propriedades antioxidantes, auxilia na prevenção de danos celulares e de doenças crônicas, como diabetes, câncer e problemas cardiovasculares. Além disso, tem quase o triplo do valor de proteínas e o dobro de fibras em relação ao integral.

Branco ou polido – Possui carboidrato e tem como principal função fornecer energia. Mais consumido no país, porém menos nutritivo, pois as suas vitaminas e minerais ficam na casca, que é removida durante o polimento.

Selvagem – É conhecido como arroz, mas na verdade é um grão. Rico em proteínas, aminoácidos e fibras; e tem menor quantidade de gordura.

Vermelho – Tem monocolina, substancia que contribui na digestão, na redução do colesterol e na prevenção de doenças cardíacas.

Comentários

Comentários