Tô eu no metrô, linha dois, sentido Acesso Norte. Do meu lado, um rapaz dorme profundamente.

Não se incomoda momento algum com os avisos sonoros a cada parada do trem.

Chegamos ao fim da linha. Todos se levantam e ele permanece ali, imóvel.

Cutuco e digo:

– Chegou, todos precisam sair do trem.

Ele vira pra mim e diz:

– Porra, esse ar condicionado do metrô bateu certo. Se não fosse a senhora, eu não acordava.

E, com essa baianidade, ganhei o dia.

Comentários

Comentários