Autor: Redação BNL

Série Indígenas: A revolta dos madeireiros – PARTE 5

Santo Antônio do Matupi também foi cenário de uma revolta de madeireiros em 2011. A apreensão de dois tratores, duas pick-ups, uma moto e 160 metros cúbicos de madeira extraída ilegalmente uma aldeia dos Tenharim, a Sepoti, motivou confronto entre os madeireiros, os fiscais do Ibama e os policiais militares do Batalhão de Policiamento Ambiental. Também foram apreendidas armas e munição. O grupo de madeireiros cercou os agentes do Ibama e entrou em confronto com a PM para evitar que os tratores ficassem com os indígenas. Após negociação, eles foram levados para Apuí. Na Transamazônica, porém, 200 pessoas bloquearam...

Read More

Ciência Pop: Site de podcast descomplica estudos científicos de forma divertida

As universidades realizam diversas pesquisas que são úteis para a sociedade, e muitas vezes podem ajudar a resolver problemas simples, do cotidiano de cada cidadão. Mas a linguagem utilizada no meio acadêmico às vezes dificulta o acesso a essas informações. Pensando nisso, um grupo de quatro amigos – de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Virgínia (EUA) – se reuniu para fazer o trabalho de “traduzir” esses estudos. Um dos criadores do site SciCast, Ronaldo Gogoni, explica que no site, lançado em outubro de 2013, todo mundo pode entender a ciência: de testes com animais a superbactérias, e...

Read More

Série Indígenas: Um terço do território grilado – PARTE 4

O relatório da CPI da Ocupação das Terras Públicas na Amazônia, em 2001, conhecida como CPI da Grilagem, informou que, de 157 milhões de hectares do território do Estado, 55 milhões estavam sendo grilados. Os cartórios de Humaitá, Manicoré e Canutama foram identificados como “contumazes na prática de ilícitos registrais”. Em Manicoré foram cancelados 682 mil hectares, ou 12% da área. Em Canutama, vizinha de Porto Velho, por onde se chega de carro a Humaitá, foram cancelados 8,8 milhões de hectares, ou 368% da área do município. É que as grilagens formam um território paralelo, virtual, onde as terras...

Read More

Série Indígenas: Política e negócios: a receita da elite – PARTE 3

Os negócios e a política caminham juntos em Humaitá: é comum os mais endinheirados partirem para essa atividade complementar. O prefeito reeleito de Humaitá, Dedei Lôbo (PMDB), é pecuarista e possui gado – como sabem todos na cidade. Mas não declarou nenhum bem rural à Justiça Eleitoral. Nem em 2008, quando se apresentou como professor de ensino médio, com um total de R$ 77 mil em bens, nem em 2012, quando já reunia R$ 561 mil. Um enriquecimento de 729%. A Pública tentou insistentemente entrevistá-lo, sem sucesso. Foto: APública Já o prefeito de Apuí, Adimilson Nogueira (DEM), mencionado pelos Tenharim como...

Read More

Série Indígenas: Em Humaitá, a origem indígena se apaga – PARTE 2

O Censo 2010 apontou 44.227 pessoas em Humaitá – 883 na Terra Indígena Tenharim Marmelos e apenas 22 pessoas na Terra Indígena Tenharim do Igarapé Preto. A maioria da população se define como parda: 30.340 (68,6%), embora seja evidente a origem indígena. Apenas 1.588 pessoas se definem como indígenas. Nenhuma delas mora em domicílio com renda superior a dez salários mínimos. O município nasceu e cresceu em torno do Rio Madeira, um dos mais imponentes afluentes do Amazonas. Com 3.240 quilômetros, o rio tem esse nome por ser muito rápido – levando árvores e troncos em sua passagem. A...

Read More

Publicidade