De instrumento musical a utensílio de cozinha, de cachimbo a remédio, de comida a reservatório: o uso da cabaça, também conhecida como porongo, parece não ter fim. Na África, além da sua multidisciplinaridade, o fruto representa um importante patrimônio cultural, que há séculos preserva e conecta as culturas do continente. Foi para ressaltar e comemorar a importância do material que foi criado o festival Koom Koom Calebasse, promovido anualmente no Senegal.

Gie Goorgoorlou, diretor do evento, acredita que se existe um objeto que forma a base do desenvolvimento africano, esse objeto é a cabaça: “Criamos um festival que atrai milhares de pessoas de todo o mundo para promover o turismo cultural, recreação para o fortalecimento da economia local e o aumento da renda para a população local. Tudo isso, através da reabilitação e promoção de um componente único do nosso patrimônio cultural e natural: a cabaça”. O diretor explica que o material representa um símbolo de união dos povos negros no mundo, uma vez que é utilizada como ferramenta diária não apenas na África quanto nas Américas e da Índia, e vê nos objetos produzidos com o fruto, um emblema que marca a sociedade africana e que pode ser um grande responsável pelo desenvolvimento sustentável da região.

Enquanto o desenvolvimento da agricultura do fruto tem potencial para criar milhares de empregos na região, fortalecer o ecossistema, barrar o avanço do deserto, diminuir a vulnerabilidade das economias africanas e ainda conter o uso abusivo de plástico não biodegradável na produção de objetos utilitários, o seu uso através das artes e artesanato pode transformar o consumo e o turismo cultural do continente, ao comercializar produtos naturais e locais, e assim, contribuir significativamente para o desenvolvimento econômico regional.

O ramo artístico e artesanal parece já estar engatado. A cabaça vem sendo cada vez mais utilizada como tema central na criação das peças, trazendo uma beleza orgânica a móveis, bolsas, joias e a todos os outros objetos que surgem da mistura do fruto com a criatividade africana.

*Por Afreaka

Comentários

Comentários